Destaque

A intolerância ao glúten e a infertilidade

intolerancia-ao-gluten-sintomasA intolerância ao glúten é uma doença inflamatória crônica, caracterizada por intolerância ao glúten contido no trigo e em cereais afins. O glúten representa 80% das proteínas do trigo e é composto de gliadina e glutenina. Também chamada de doença celíaca, é causada por uma resposta imunológica do organismo. Portanto, apesar de ser frequentemente chamada de alergia ao glúten, não é um processo alérgico, mas autoimune. Os sintomas característicos são diarreia, vômito, perda de peso, dor abdominal, aumento de gases, “estufamento” e perda de apetite.

 

“Entretanto, nem sempre este quadro clínico é tão bem definido. Podem existir sintomas exclusivos de infertilidade feminina e masculina, devido aos múltiplos efeitos da nutrição nos fatores de imunidade e nos hormônios, ou por estar associada aos sintomas característicos acima descritos. Os mecanismos não são totalmente claros, mas a infertilidade nestes casos é alta, mas normalmente reversível com o controle rígido da dieta”, conta o ginecologista e especialista em reprodução humana Arnaldo Cambiaghi, diretor do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia).

 

Segundo ele, o que se sabe hoje é que a doença celíaca provoca má absorção de nutrientes importantes para o sistema reprodutor, como ferro, ácido fólico, vitamina K, B12, B6 e outras vitaminas lipossolúveis, que poderiam ser também responsáveis por malformações congênitas.

 

A infertilidade e os abortos podem ser os únicos sinais da doença

 

Muitas vezes o único sinal da doença, que é excessivamente negligenciado, é a presença da subfertilidade ou da infertilidade, uma vez que  muitas pesquisas  apontam uma ligação entre sensibilidade ao glúten e desordens reprodutivas na mulher. Alguns estudos demonstraram  que a prevalência de doença celíaca em mulheres com infertilidade inexplicada é maior do que a população em geral. A doença celíaca é demonstrada em cerca de 1% da população geral, enquanto nas mulheres com infertilidade inexplicada, a prevalência é de até 8%. Portanto, é recomendável que mulheres com infertilidade inexplicada façam o rastreamento esta doença.

 

Mulheres com sintomas discretos da doença celíaca podem ainda apresentar a primeira menstruação numa fase tardia da vida (menarca tardia), menopausa precoce e ainda maior frequência de amenorreia secundária (falta de menstruação).. Além disso, mesmo nos casos em que a gravidez é obtida, tem sido demonstrado que, em mulheres com doença celíaca não tratada, a taxa de aborto espontâneo é maior que a encontrada na população geral; nestes casos, o risco relativo de aborto múltiplo e recém-nascido de baixo peso é 8-9 vezes maior do que o da população geral.

 

“Já homens com doença celíaca podem ter disfunção gonadal (problema no funcionamento das gônadas, glândulas dos aparelhos reprodutivos, no caso masculino, testículos) o que poderia levar a problemas de fertilidade. As mulheres são diagnosticadas com muito mais frequência do que os homens: até 70% das pessoas diagnosticadas com a doença são do sexo feminino, em parte porque mais mulheres do que homens realmente têm a doença, e em parte porque as mulheres são mais propensas a procurar um diagnóstico para os seus problemas de saúde. A infertilidade pode ser um sinal da doença”, comenta Cambighi.

 

Cólicas e Endometriose

 

Pesquisas têm sido realizadas para avaliar a ligação entre a doença celíaca, a dor menstrual crônica e a endometriose e, algumas delas, indicaram que é provável a existência desta conexão. Na verdade, um estudo abrangente de problemas reprodutivos em mulheres com doença celíaca descobriu que quase 5% delas citaram “transtornos do ciclo menstrual” como seus principais sintomas da doença celíaca.

 

“Embora haja poucas pesquisas sobre a incidência desse tipo de dor menstrual em mulheres com doença celíaca, um trabalho científico publicado mostrou alívio de cólicas menstruais dolorosas e dor pélvica em uma mulher que foi diagnosticada com a doença celíaca e começou a seguir a dieta sem glúten. Curiosamente, tem havido vários relatos de mulheres que sofriam de cólicas menstruais extremamente dolorosas que melhoraram ou desapareceram quando foram diagnosticadas com a doença celíaca e passaram a seguir uma dieta sem glúten”, diz o médico.

 

Portanto, a endometriose pode também estar relacionada com doença celíaca. Endometriose é uma condição em que as células uterinas crescem fora do útero e podem causar dor pélvica crônica, forte cólica menstrual, dor durante a relação sexual e até mesmo distúrbios do sono. No entanto, em alguns casos, a endometriose não tem nenhum sintoma óbvio e é muitas vezes descoberta durante os testes para a infertilidade. Embora existam poucos estudos sobre possíveis ligações entre doença celíaca e endometriose, alguns relatos de mulheres com doença celíaca, indicam que a endometriose pode ser mais comum nelas que na população em geral. Outros estudos demonstraram que a doença celíaca é quatro vezes mais comum em mulheres com endometriose.

 

 

SINTOMAS DA DOENÇA COM QUADRO CLÍNICO EVIDENTE

 

  • Diarreia
  • Vômito
  • Perda de peso
  • Dor abdominal
  • Aumento de gases
  • Estufamento
  • Perda de apetite.

 

SINTOMAS DA DOENÇA COM QUADRO CLÍNICO “NÃO PERCEBIDO”

 

Efeitos na fertilidade na mulher

 

  • Atraso puberal
  • Amenorreia
  • Endometriose
  • Abortos espontâneos
  • Presença de aftas frequentes e dolorosas
  • Menopausa precoce

 

Efeitos na fertilidade no homem

 

  • Espermatozoides anormais (forma alterada e número reduzido)
  • Níveis mais baixos de testosterona.

 

 

Efeitos na gestação

 

  • Anemia grave
  • Ameaça de aborto
  • Descolamento prematuro da placenta
  • Hipertensão arterial e retardo de  crescimento intrauterino
  • Abortos recorrentes
  • Recém-nascido com baixo peso
  • Natimortos
  • Redução na duração da lactação

 

Outros problemas

 

  • Anemia
  • Osteoporose
  • Distúrbios da tireóide

 

Exames:

Anticorpos a serem pesquisados:

 

  • anti-TTG (Anticorpo  antitransglutaminase)
  • anti-EMA (Anticorpo  antiendomísio)
  • Anticorpo antigliadina
  • IgA (se estiver baixo poderá confundir um falso negativo)

 

Teste genético:

 

  • HlA-DQ2 e/ou DQ8.

 

A grande maioria dos pacientes celíacos e 30% da população geral apresentam HLA-DQ2 e/ou DQ8. Assim, a presença de um desses dois alelos tem boa sensibilidade, mas baixa especificidade

 

Tratamento

 

“O tratamento baseia-se exclusivamente na dieta alimentar. Deve se excluir do cardápio produtos industrializados com a presença de glúten como pães, bolos, bolachas, macarrão, coxinhas, quibes, pizzas, cervejas, uísque, vodca etc, quando estes alimentos possuírem o glúten em sua composição ou processo de fabricação. Um desafio para aqueles que adoram este tipo de comida”, alerta Cambiaghi.

 

Devido à exclusão total de alguns alimentos ricos em carboidratos e fibras, esta dieta é composta em sua maior parte de gorduras (margarina, manteigas, óleos etc), proteínas (carne em geral) e, em menor parte, de carboidratos (massas sem glúten, açúcares etc). Todo celíaco que não transgride a doença tende a ter um aumento do peso corporal e, desta forma, deve ter uma dieta equilibrada. Para tanto, deve diminuir a ingestão de proteínas, moderar o consumo de gorduras e aumentar o consumo de frutas, sucos naturais, verduras e legumes, tornando sua alimentação mais adequada e saudável. O malte, muito questionado, é um produto da fermentação da cevada, portanto apresenta também uma fração de glúten. Os produtos que contenham malte, xarope de malte ou extrato de malte não devem ser consumidos pelos celíacos. O glúten não desaparece quando os alimentos são assados ou cozidos, por isto a dieta deve ser seguida à risca.

 

Conclusão

 

Altas taxas de infertilidade em mulheres com doença celíaca Estudos encontraram taxas de doença celíaca emcerca de 4% em mulheres com infertilidade inexplicável. Infertilidade ou aborto inexplicado? Considerar pesquisar intolerância ao glúten – Doença Celíaca Muitos pesquisadores e médicos recomendam que a pessoa seja rastreada para doença celíaca se tiver infertilidade inexplicada.

 

Sobre Arnaldo Schizzi Cambiaghi

É diretor do Centro de reprodução humana do IPGO, ginecologista-obstetra especialista em medicina reprodutiva, trilha sua carreira auxiliando casais na busca por um filho e durante toda a gestação. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. O especialista além de autor de diversos livros na área médica como Fertilidade Natural, Grávida Feliz, Obstetra Feliz, Fertilização um ato de amor, e Os Tratamentos de Fertilização e As Religiões, Fertilidade e Alimentação, todos pela Editora LaVida Press e Manual da Gestante, pela Editora Madras. Criou também os sites: www.ipgo.com.br; www.fertilidadedohomem.com.br; www.fertilidadenatural.com.br, onde esclarece dúvidas e passa informações sobre a saúde feminina, especialmente sobre infertilidade. Apresenta seu trabalho em congressos no exterior, o que confere a ele um reconhecimento internacional.

To Top