Indaiatuba atinge meta do Ideb e fica acima da média nacional

Comentários desativados 22

Índice de Indaiatuba de 6.3 está previsto para o Brasil depois de 2021

dest2

O Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) 2013 foi divulgado pelo Inep está semana. Indaiatuba alcançou a meta de 6.3 e está bem acima da média nacional, que nos anos iniciais no Ensino Fundamental Municipal ficou com 4.9. O Estado de São Paulo ficou com 5.7. O indicador é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e médias de desempenho nas avaliações do Inep, o Saeb – para as unidades da Federação e para o País, e a Prova Brasil – para os municípios.

Criado em 2007, o Ideb representa a iniciativa pioneira de reunir em um só indicador, dois conceitos igualmente para a qualidade da educação: fluxo escolar e médias de desempenho nas avaliações. Ele agrega ao enfoque pedagógico dos resultados das avaliações em larga escala do Inep a possibilidade de resultados sintéticos, facilmente assimiláveis, e que permitem traçar metas de qualidade educacional para os sistemas.

Para a secretária municipal de Educação, Rita de Cássia Trasferetti, o resultado de Indaiatuba mostra um trabalho sério, de dedicação e empenho de toda equipe educacional da Secretaria. “Consideramos nosso resultado de 6,3 no Ideb-2013 muito bom, quando comparado ao Brasil (4,9) e ao Estado de São Paulo (5,7). Nossa avaliação é maior que o valor projetado para o país em 2021 (Ideb 6,0). Toda nossa Rede, incluindo professores, gestores, coordenadores e funcionários  se dedica intensamente para ter esse resultado. Não podemos nos esquecer também que o comprometimento dos pais com a educação de seus filhos é um fator relevante a ser considerado”, salienta Rita.

Na RMC (Região Metropolitana de Campinas) os 20 municípios também ficaram acima da média nacional e apenas seis cidades ficaram abaixo da média Estadual. Indaiatuba está em 4º lugar junto com Nova Odessa e Vinhedo. As cidades que ficaram acima de Indaiatuba foram Jaguariúna com 6.6; Pedreira e Americana, ambas com 6.5 e Santa Bárbara d’Oeste com 6.4.

Entre as escolas municipais de Indaiatuba o destaque com o maior Ideb ficou para Emeb “Vicente Bernardinetti” e “Profª Yolanda Steffen” que alcançaram o Ideb 7.2. Seguidas da Emeb “Profª Renata Guimarães Brandão Anadão” que conquistou o índice 7.1. Outros destaques foram as Emebs “Doardo Borsari” que passou de 4.4 em 2011 para 6.2 em 2013 e a “Profª Sylvia de Camargo Sannazzaro” que em 2011 teve Ideb 4.9 e agora pulou para 6.4; ultrapassando suas metas de 2013 em 1.3 e 1.5 pontos respectivamente. As Emebs “Padre Joaquim Aparecido Rocha” e “Osorio Germano e Silva Filho” não apresentaram Ideb, pois ficaram sem a média na Prova Brasil 2013, pois no ano me que esta avaliação foi aplicada as escolas mencionadas não possuíam o 5º ano.  “Nosso maior empenho é que todas as escolas ofereçam um ensino de qualidade. Em 2011 a diferença nas escolas entre a maior nota Ideb (7.2) e a menor (4.4) foi de 3.2 pontos agora essa diferença passou para 2.3 sendo a maior nota 7.2 e a menor 4.9. Isso mostra que as escolas estão melhorando juntas e isso é o mais importante”; explica a secretária.

O índice conquistado é o resultado de um grupo de ações integradas e planejadas que objetivam a qualidade educacional. Estas são as ações destacadas pela Secretaria de Educação: formações para professores, coordenadores e gestores; incentivo à participação das famílias; o atendimento às necessidades variadas dos alunos buscando sempre que necessário o acompanhamento multissetorial; a identificação das escolas que exigem um acompanhamento maior da Secretaria para superar seus desafios; o investimento no apoio pedagógico paralelo aos alunos que demonstram defasagem de conteúdos ou dificuldades de aprendizagem; a presença frequente nas escolas, dos representantes da equipe técnico-pedagógica (Orientadores Pedagógicos, Supervisores Educacionais, Psicologia, Fonoaudiologia); as avaliações Amda (Avaliação Municipal do Desenvolvimento Escolar) que ajudam a detectar quais aspectos dos conteúdos e currículo precisam de maior atenção; o investimento em tecnologia educacional para incrementar as aulas e a didática dos professores; a aquisição regular de inúmeros livros de literatura para servir o acervo bibliográfico das escolas e a construção de material didático próprio que privilegiaram as necessidades da Rede Municipal de ensino.

Um dos principais projetos que colaboram para o desempenho dos alunos no Ideb é o projeto ‘Ler Faz Bem’ que promove a leitura semanal pelos alunos e, integra toda a comunidade escolar na valorização da leitura. Promove também a escrita, pois os alunos além de lerem muito, produzem ao longo de todo o ano livros artesanais e virtuais que culminam com uma imensa exposição na Feira Literária que ocorre anualmente sempre em outubro. Nesse projeto, as habilidades leitura e escritora são amplamente trabalhadas tendo como marca registrada o uso social e funcional dessas produções.

A administração municipal investidou em educação só em 2013 R$ 175.594.073,46. Neste total estão incluídos os recursos vinculados dos impostos municipais, os repasses e convênios de outras esferas de governo e os recursos empregados na alimentação escolar. A aplicação dos recursos vinculados, cujo mínimo legal é de 25%, atingiu o patamar de 27,50% em 2013.  A secretária da pasta enfatiza o que os pais podem esperar para os próximos anos. “Muitas melhorias ainda serão realizadas. No âmbito físico muitos pais já elogiam a estrutura das escolas: o atendimento, a organização, a segurança, os recursos e orientações oferecidas pelas equipes escolares. O investimento em qualificação profissional para que possamos atingir as próximas metas estabelecidas devem continuar sendo prioridade. Todo pai quer que o filho seja bem atendido, bem cuidado, e que a escola cumpra sua missão prioritária: ensinar. Os pais desejam que seus filhos aprendam”, sublinha Rita.

Inovações educacionais também estão presentes em Indaiatuba como a secretária de Educação reforça que a formação profissional destinada aos professores incorporam os conhecimentos mais recentes que explicam como as crianças aprendem e, portanto como devem ensinar. “Temos um forte investimento em tecnologia educacional que garante mais motivação para os alunos aprenderem, além de tornar a estrutura administrativa da Secretaria de Educação mais integrada, transparente e com possibilidades de melhor cruzar e analisar seus números e índices. Buscamos projetos inovadores que proponham ganhos de conhecimento para os nossos alunos, mas, sobretudo procuramos fazer o que é precípuo fazermos com muito compromisso e dedicação”, conclui Rita de Cásia.

 

Crédito: Eliandro Figueira SCS/PMI

Categorias